Curtas #778

    Diocese – 1

    No dia 13, sexta-feira, o bispo Dom Canisio Klaus, deixa a diocese de Santa Cruz do Sul. Sua saída  não foi uma promoção. Fontes internas confirmam sua boa conduta. O erro dele foi o de não resolver problemas da gestão anterior. Um Colégio de Consultores, com nove padres, auxiliam na costura interna e externa.

    Diocese – 2

    Dom Canísio Klaus foi muito discreto. Optou por evitar conflitos do período de dom Sinésio Bohn, como por exemplo  a criação do jornal “Diário  Regional”, em 2011, edificado com apoio e recursos da Conferência Episcopal Italiana.

    Diocese – 3

    Na semana passa o Colégio de Consultores esteve reunido. Ele  avaliariam a carta formal  assinada pelo Núncio Apostólico, que é o representante oficial  e direto do Papa em todos os países. A carta  determina que o conselho defina num prazo de até oito dias após a saída de Dom Canisio, um administrador “pro tempore”. O nome do  indicado deverá  sair de um dos nove padres e este deverá solucionar os fatos internos.

    Ruído

    O deputado estadual Enio Bacci (PDT), segundo fonte, pode estar perdendo um assessor no governo de Lajeado. O referido deseja ficar no governo de Luis Fernando Schmidt (PT). Por outro lado, até o momento, o deputado Bacci, pelo menos publicamente, sobre o atual governo nada diz. E sobre o futuro, menos ainda.

    Interpretação

    Há quem diga, pense, sonhe, que o caso as pesquisas de campanha não sejam positivas para uma reeleição, o atual prefeito de Lajeado acabe oportunizando espaço para o vereador  Sérgio Kniphoff (PT) substituí-lo.

    O prefeito Luis Fernando Schmidt (PT), sempre se caracterizou entre os companheiros petistas como um “teimoso”. Se ele é o quem sempre foi, não será agora acompanhado da força da caneta não vai mudar de idéia.

    Prazo

    Março se aproxima e até o momento o vice-prefeito de Lajeado (sem partido) segue buscando espaço para viabilizar uma boa estratégia para outubro junto com o prefeito Luis Fernando Schmidt (PT). Será isto uma boa estratégia?

    Pergunta

    Para as dezenas de estrategistas políticos de Lajeado, a cidade dos cafés, das farmácias e dos estrategistas, é necessário uma pergunta. Em qualquer lugar deste estado um vice-prefeito buscando sigla faria diversos caciques partidários visitarem Lajeado propondo namoro, noivado e casamento. Afinal, porque tal realidade não acontece em Lajeado, pólo regional do pensamento plural?

     

    Comentar